Filhotes de cães e gatos - Canil e Gatil

Parasitismo por Rangelia vitalli (“nambiuvú”, peste de sangue”) em caninos

Artigos Científicos
 
Parasitismo por Rangelia vitalli (“nambiuvú”, peste de sangue”) em caninos
Alexandre Paulino LORETTI
Rangelia vitalli é um protozoário do filo Apicomplexa transmitido por carrapatos e que provoca uma doença em caninos conhecida popularmente como "peste de sangue", "nambiuvú" ou "febre amarela dos cães". R. vitalli afeta principalmente cães jovens das zonas rurais, em particular nas épocas mais quentes do ano, e causa anemia, icterícia, febre, esplenomegalia, aumento de volume generalizado dos linfonodos, hemorragias no trato gastrintestinal ("nambiuvú das tripas") e sangramento persistente pelas bordas e face externa das orelhas, narinas e cavidade oral. Sugere-se que Amblyomma aureolatum, o "carrapato amarelo do cão", que infesta caninos domésticos, canídeos silvestres (p. ex. graxains) e passeriformes, seja o vetor da doença. Na literatura pertinente ao assunto consta que R. vitalli ocorre em células endoteliais, hemácias e macrófagos. Todavia, não há evidências convincentes de que esse protozoário se replique no interior de eritrócitos e de células fagocitárias. Microscopicamente, a grande maioria dos pesquisadores tem observado esse parasito apenas no interior de vacúolos parasitóforos no citoplasma de células endoteliais dos capilares sangüíneos. O perfil hematológico de cães afetados por R. vitalli é consistente com o de uma anemia hemolítica extra-vascular auto-imune. A doença tem sido reproduzida através da inoculação de sangue de caninos doentes, parasitados por R. vitalli (cães com a doença espontânea), em cães experimentais, jovens, livres desse protozoário e susceptíveis a esse patógeno. O diagnóstico clínico presuntivo do parasitismo por R. vitalli em cães tem sido feito a partir do histórico, quadro clínico, hemograma e resposta favorável à terapia a base de diproprionato de imidocarb ou doxycicline ou aceturato de diminazeno associada à corticoterapia e, quando necessário, transfusão sangüínea. O diagnóstico definitivo dessa protozoose é problemático para o médico veterinário clínico de pequenos animais uma vez que R. vitalli tem sido observado apenas em esfregaços de tecidos confeccionados durante a necropsia e em cortes histológicos. R. vitalli tem sido encontrado mais freqüentemente nos linfonodos, medula óssea e plexo coróide. A maior parte dos cientistas não tem observado esse protozoário em esfregaços sangüíneos apesar de os primeiros relatos dessa enfermidade, no início do século passado, descreverem a presença do parasito no interior das hemácias. Alguns pesquisadores alegam que eritrócitos parasitados por R. vitalli ou as formas livres desse protozoário na corrente sangüínea são achados raros em especial na forma crônica da doença. Relata-se que R. vitalli seria mais facilmente observado no sangue colhido na fase inicial da infecção e que há mais chances de se recuperar o parasito e visualizá-lo em esfregaços sangüíneos quando as amostras de sangue são coletadas durante os picos febris da enfermidade. Estudos em microscopia eletrônica de transmissão e inoculações experimentais corroboram a hipótese de que R. vitalli ocorre na corrente sangüínea.
R. vitalli é um parasito intracelular que, até o presente momento, foi descrito apenas no Brasil. Apesar de a primeira descrição do parasitismo por R. vitalli ter sido feita por A. Carini em 1908, há poucos estudos a respeito desse protozoário em nosso país. Controvérsias a respeito do ciclo evolutivo e sobre a real identidade de R. vitalli povoaram o meio científico brasileiro durante muitos anos. Doenças infecciosas de cães que causam anemia, icterícia, febre, esplenomegalia, linfadenomegalia e hemorragias p. ex. babesiose canina (Babesia canis) e erlichiose canina (Ehrlichia canis) têm sido confundidas com àquela provocada por R. vitalli. Histologicamente, esse parasito intracelular tem sido confundido ao longo dos anos com outros protozoários e riquétsias que ocorrem no sangue e nos tecidos de caninos p. ex. Toxoplasma gondii, Leishmania donovani, Ehrlichia canis, Trypanosoma cruzi. Todos essas questões polêmicas e equívocos sucessivos contribuíram para que R. vitalli caísse em total descrédito no meio científico sendo abandonada pelos pesquisadores de nosso país a partir da década de 50. Assim, esse tópico desapareceu por completo dos livros e revistas científicas de medicína veterinária do Brasil apesar de diversas evidências apontarem para o fato de que esse patógeno é uma causa importante de doença clínica e morte em cães das zonas rurais no Estado do Rio Grande do Sul, Região Sul do Brasil, e de outras regiões do interior de nosso país.
Com relação ao tratamento do parasitismo por R. vitalli, deve se chamar a atenção para o fato de que o aceturato de diminazeno, uma diamidina aromática utilizada na terapia dessa protozoose, é uma droga de baixo índice terapêutico e que tem ação neurotóxica em caninos nas seguintes situações: (i) quando é administrada uma dose acima daquela recomendada pelo fabricante; (ii) quando doses terapêuticas repetidas da medicação são dadas em um intervalo de tempo inferior a seis semanas; (iii) quando apenas uma dose terapêutica é administrada em cães afetados por doenças causadas por hematozoários ou (iv) quando utilizada em animais saudáveis na dose recomendada, em uma única administração, na prevenção dessas enfermidades parasitárias. Susceptibilidades racial e individual para esse medicamento também têm sido descritas. Em caninos, a intoxicação por aceturato de diminazeno provoca encefalomalácia hemorrágica simétrica focal bilateral afetando o mesencéfalo, tálamo e cerebelo, poupando o córtex cerebral. Casos de intoxicação por aceturato de diminazeno em cães, usualmente fatais, têm sido descritos, inclusive no Estado do Rio Grande do Sul. Não se recomenda o emprego de uma diamidina aromática no tratamento do parasitismo por R. vitalli em função dos efeitos nocivos que essa droga apresenta para os cães. Adicionalmente, há outros medicamentos mais seguros que podem ser usados alternativamente no tratamento dessa doença (imidocarb ou doxycicline). No Brasil, laboratórios de medicamentos veterinários têm retirado de suas bulas a informação de que aceturato de diminazeno é indicado para a terapia de hematozoários que afetam caninos. Nos casos de intoxicação por aceturato de diminazeno em cães diagnosticados em nossa região, a epidemiologia, quadro clínico e achados de necropsia e histopatológicos dos pacientes tratados com essa droga são consistentes com aqueles observados no parasitismo por R. vitalli, com exceção da presença dos próprios parasitos no interior das células endoteliais. O tratamento desses animais com essa droga protozoocida explicaria a ausência desses protozoários nos cortes histológicos. Nesses casos, as lesões cerebrais típicas causadas pelo efeito tóxico das diamidinas no sistema nervoso central também estão presentes.
 
Referências:
CARINI, A. 1908. Notícias sobre zoonoses observadas no Brasil. Rev Médica São Paulo, v. 22, p. 459-462.
CARINI, A, MACIEL, J. 1914. Sobre a molestia dos cães, chamada Nambi-uvú, e o seu parasita (Rangellia vitalli). An Paul Med Cirurg, v. 3, n. 2, p. 65-71.
CENTRO DE INFORMAÇÃO TOXICOLÓGICA DO RIO GRANDE DO SUL, NÚCLEO DE ESTATÍSTICA E AVALIAÇÃO CIT-RS. 2002. Intoxicação por diaceturato de diaminodibenzamidina em cães no Estado do Rio Grande do Sul durante o ano de 2002. Informações obtidas através do e-mail <citnea@fepps.rs.gov.br> em 19 de maio, 2003.
KRAUSPENHAR, C., GRAÇA, D. 2003. Anemia hemolítica imunomediada em cães associada a protozoário. Disciplina Seminário MMV 801, PPGMV, UFSM, Santa Maria, RS. Disponível em: <http://200.132.36.23/seminários/>. Acesso em 28 de junho, 2003.
LORETTI, A.P., BARROS, S.S., CORRÊA, A.M., BREITSAMETER, I., OLIVEIRA, L.O. et al. 2003. Parasitism of dogs by Rangelia vitalli in southern Brazil: clinical, pathological and ultrastructural study. In: ENAPAVE - ENCONTRO NACIONAL DE PATOLOGIA VETERINÁRIA, XI, FMVZ - UNESP - Botucatu. Anais..., Botucatu, SP, trabalho 178.
PESTANA, B.R. 1910. O nambiuvú. Rev Med São Paulo, n. 22, p. 423-426.
REZENDE, H.E.B. 1976. Sobre a validade de Rangelia vitalli (Pestana, 1910) hemoparasito de cães no Estado do Rio de Janeiro. XV Congr Bras Med Veter. Rio de Janeiro. Anais... Rio de Janeiro, RJ, p. 159-160.
 
Professor Assistente III, Setor de Patologia Veterinária, Departamento de Patologia Clínica Veterinária, Faculdade de Medicina Veterinária, Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). 
 

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar