Filhotes de cães e gatos - Canil e Gatil

American Bully

O que é um American BULLY pocket standart Pocket e xl ?

O que é um  POCKET American bully Standart e Micro exotic BULLY?
 
 Tricolored American Bully PAXLINE 

Compre seu Paxblood Original

Siginificado de Paxblood: american bully tricolor muito musculoso, denso e correto

Paxblood Bully Musculoso e Forte Amigo da Família. American Bully Correto, Muito Forte e Definido. Bullies Parrudos de Verdade, filhotes standart bully, pocket bully e exotic bully.

 Gottyline
"THE PAX BLOOD HOME"
GENE TRICOLOR EXCLUSIVO CÃO PARRUDO E CORRETO

American Bully

Canil Destaque em Bullys: Moderno Canil Amichetti  cães musculosos com saúde de ferro, numa alma de muita Paz

 info@petclube.com.br/ amichettibully@gmail.com

F 11 99386-8744 hc / 96393-1128

 
Um pokett bully é cão compacto, bem proporcionado, uma versão ainda mais compacta do American Bully.
De acordo com seu padrão, ele deve ficar cerca de 40 cm de cernelha.
Com exceção do tamanho, esta versão da raça é tem a mesma escala como o seu padrão american Bully com todas as poderosas características incluídas.
Eles tendem a pesar entre 25-35kg e qualquer versão do american bully pode produzir um pocket bully.
Começamos a explorar esse biotipo ha muito tempo por iniciativa própria, por gostar de cães compactos, fortes e amigos, hoje iss se tornou um sucesso no mundo, explica O PBC.

PAXXTREMEPOCKET

Entendemos que a maioria das pessoas que gostem de cães fortes, gotariam de possuir um cão ainda mais parrudo e compacto, com excelente saúde e rusticidade esse é o paxblood.
Muitos fãs do bully, tem enorme prazer de verem cães cada mais mais musculosos, compactos, como uma massa, um bloco, um bólido compacto, com fuço muito curto, peito super largo.
O que não é irônico para mim é que esses fãs parecem abraçar o estilo bullie pockett mais do que os outros fizeram em outras raças como no staffordshire ingles ou no próprio old bulldog. Tornou-se um cult assim como a tutagem , futebol, bodybuilding.
 
Ao contrário de antes, muitos dos Bullys tipo pocket estão sendo capazes de competir em forma e poder de intimidação com bully maiores.
Creio que isto é por causa da óbvia mudança de preferência por muitos por cães que possam ser levados para apartamentos e moradias menores, coisa comum em grandes centros metropolitanos.
Os bullies mais carregados tem sido classificados em muitos dos casos, como "extremo paxblood" 
 
 super american bully PAX american bully PUPS TRICOLORED Canile Amichetti pitbull

PAX BLOOD exclusividade Muscular Xtreme Bullies

 

 


Site http://petclube.com.br/american-bully-exotic-bully.html

luck2Confira nossos XTREME pocket bully, Corretos, criados com muito amor e dedicação em convívio íntimo com nossas crianças e nossos gato, todos convivem muito bem. Criamos bully parrudos, curtos, encorpados, curto e super grosso, formato de cabeça moderno,frente correta, traseira angulada e forte, impressionante ossatura, pescoço grosso, estilo moderno.Todos mansos e amigos sem qualquer inconveniente de serem valntões como pitbull´s tradicionais.
O Kennel Club antigo, é muito antiquado e rígido quanto a aparência morfológica canina, fazendo com que, cães saudáveis perdessem ao longo de gerações rústicidade e saúde.

Um dos benefícios do bully amichetti, sua principal busca, é a rústicidade, saúde e a índole totalmente voltada a intimidade com a família, com quem criam vigorosos vínculos  de atenção e lealdade.
Onde Comprar Xtreme Bully, Pocket Bully como escolher seu filhote?
O canil Amichetti possui várias gerações na seleção de parrudos bully, depois de muitos anos podemos afirmar a condição genética rústicidade e mansuetude de nossos super american bull e bons pockett bully com Gottyline, Dax line e Miagui, com lindos filhotes para venda, ligue agora no 11 99386 8744 SP e agende sua visita para comprar de seu filhote se super bully e conhecer pessoalmente o famoso Pax e descendentes: Paxblood !!! 

"Amichetti Kennel:The home of Pax"

luckskywalkerCães Criadores American Bully Kennel: Pocket, Exotic Bully, Xtreme,Standart

PAXBLOOD exclusividade Petclubecamp

Site http://petclube.com.br/american-bully-exotic-bully.html

Filhotes http://www.petclube.com.br/american-bully-exotic-bully/139-super-american-bully-pitbull.html

American Bully saudável especialidade do Canil e Criador Petclube Camp

Whatsapp F 11 99386-8744 hc / 11 96393-1128

Pax Blood com raros cães tricolor blac/tan e tri choco/tan

Pax bully corretíssimo e super amigo de crianças

 

DZlhWA1ERtU SFms9ejpD64 E0vY9rfuc40

Petclube original muscular bullys 

EcoVilla Amichetti- Paraíso Ecológico- uma forma sustentável de ConViver. Agendamento prévio é imprescindível com dados cadastrais e placa do veículo.

Rod. Régis Bittencourt, km 334, apenas 40 min. de SP-Juquitiba .

Agende uma agradável visita para adquirir seu filhote e faça belo passeio no santuário ecológico com a  Mata Atlântica  preservada.

Cães American Bully Miostatina Músculos Naturais

 PAX Blood American Bully USA DAXLINE RIP DAX

PAX BLOOD exclusividade em Muscular Bullies com miostatina gene

 

Site http://petclube.com.br/american-bully-exotic-bully.html

 

 

 

 

 Recentes descobertas sobre o papel da miostatina   

SUPER AST OVER BULLYResumo:

A Miostatina é uma proteína que exerce um potente efeito inibitório sobre o crescimento e desenvolvimento do músculo esquelético. Algumas mutações no gene da Miostatina já foram identificadas em animais, sendo associadas ao aumento exacerbado da massa muscular. O treinamento de força é, por sua vez, reconhecidamente uma estratégia capaz de promover hipertrofia do músculo esquelético. Portanto, é plausível especular que esta estratégia de treinamento possa influenciar a expressão e/ou atividade da Miostatina. O objetivo do presente artigo é apresentar os principais resultados relacionados ao efeito do treinamento de força sobre o comportamento do gene da Miostatina.

 

 

REGISTRO PEDIGREE  Internacional Novos Cães Bully Linhagem Daxline Gottyline Kurupt Kryptonite Miagui PAX GOTTYLINE DAX LINE x Miagui CARREGADO NO PETCLUBE AMICHETTI Foto PAX GOTTYLINE Daxline 6 X Romeu 2x Dax 

 

AMERICAN BULLY FILHOTES c/ Pedigree COMPRAR VENDA PREÇO PARCELADO BRASIL 

Miostatina em Cães Over bully do Canil Amichetti:


Conheça os cães Pocket Bullys, super cães, tb conhecidos como super american bully, o Canil Amichetti ao longo de anos de seleção tem cães com menor quantidade de miostatina, assim seus cães são naturalmente muito mais fortes e musculosos que os cães sem o trabalho intenso de cruzamento e resgate dos cães Amichetti.

possuem um resgate cromossõmico de rusticidade e musculatura muito diferenciado e maior que seus primos distantes do show e pistas de competição como a Crutfs.

Esse trabalho imenso de selção e cruzamentos realizado pela Familia Amichetti com seus american bully tem sido estudo criterioso de vários zootecnistas e veterinários que tem parabenizado o trabalho brasileiro.

 

 PAX Blood American Bully USA DAXLINE RIP DAX

AMERICAN BULLY FILHOTES c/ Pedigree COMPRAR VENDA PREÇO PARCELADO BRASIL

MOLECULAR ADAPTATIONS TO RESISTANCE TRAINING: RECENT FINDINGS ON MYOSTATIN ROLE

Extreme Bully Canil Criadores Breeder Amichetti

 

Abstract: Myostatin is a protein that acts as a potent inhibitor of skeletal muscle growth. Natural mutations of the myostatin gene occurring in animals were also associated with a significant increase in muscle mass. It is well established that resistance training promotes skeletal muscle hypertrophy. Therefore, it is reasonable to expect that resistance training might modulate myostatin expression/activity. The aim of the present review is present the main findings regarding the influence of resistance training upon myostatin gene expression.

INTRODUÇÃO
A Miostatina (Growth and differentiation factor 8) é uma proteína pertencente à família TGF- (Transformin growth factor - ) que regula de maneira negativa a massa muscular esquelética. Esta proteína é sintetizada pelo músculo na sua forma latente, sendo secretada em associação a um propeptídeo. No meio extracelular, após passar por um processo de clivagem, o complexo propeptídio-Miostatina é desfeito, tornando a Miostina ativa. A proteína na sua forma ativa é capaz de interagir com seu receptor de membrana (Activina IIB) e, por fim, exercer seu efeito repressor sobre o crescimento muscular (Figura 1).

 Bully:

E0vY9rfuc40 h2Y4FqwbxLw DZlhWA1ERtU

 

 
super american bully PAX american bully PUPS TRICOLORED Canile Amichetti pitbullContato Canil Amichetti

Após a sua síntese, a Miostatina (latente) é secretada para o meio extracelular. Após passar por um processo de clivagem, a Miostatina é liberada do pró-peptídio, podendo exercer sua ação de inibição da hipertrofia e hiperplasia (Miostatina ativa).

O papel de inibidor do crescimento muscular, exercido pela Miostatina foi comprovado somente no fina da década de 90 (McPHERRON, 1997; McPHERRON & LEE, 1997). Mais especificamente, em 1997, foi demonstrado que mutações no gene que codifica esta proteína eram capazes de promover um ganho extraordinário de massa muscular em bovinos, o que posteriormente, também foi observado em cães da raça Whippet (MOSHER, 2007; SHELTON, 2007). Além dos fenótipos relacionados à mutação no gene da Miostatina observados em animais, em 2004, foi descrito o primeiro caso de mutação em um ser humano (SCHUELKE, 2004).

Diversos trabalhos mostram que a expressão da Miostatina é regulada em situações, nas quais, são evidenciadas alterações na massa muscular (LEE, 2004; PATEL & AMTHOR, 2005). Patologias que promovem intenso catabolismo, como câncer (caquexia) e AIDS, estão positivamente relacionadas ao aumento na expressão de Miostatina (GONZALEZ-CADAVID, 1998; ZIMMERS, 2002).

Em contrapartida, seria esperado que o estímulo do treinamento de força pudesse exercer algum tipo de modulação sobre a expressão/atividade da Miostatina, uma vez que esta estratégia é capaz de promover a hipertrofia do músculo esquelético. Embora, o efeito do treinamento de força sobre a manutenção/aquisição da massa muscular seja bem reconhecido, pouco se sabe a respeito da regulação de genes relacionados com o processo de hipertrofia em resposta ao treinamento de força. Neste cenário, destaca-se a Miostatina e
outras proteínas que podem influenciar a atividade da mesma (Activina IIB – ActIIB - (receptor) e Folistatina (inibidor)).

O objetivo do presente artigo é apresentar e discutir os principais estudos disponíveis sobre o efeito do treinamento de força sobre o comportamento do gene da Miostatina.

O TREINAMENTO DE FORÇA PODE MODULAR A EXPRESSÃO DO GENE QUE CODIFICA A MIOSTATINA?

O treinamento de força é bastante conhecido por induzir a hipertrofia do músculo esquelético e por aumentar a capacidade de gerar força (KRAEMER, 2002). No entanto, conforme mencionado anteriormente, pouco é conhecido a respeito dos mecanismos celulares e moleculares que governam tais adaptações neste tecido, em resposta a esta estratégia específica de treinamento.

Considerando que o treinamento de força é capaz de promover alteração da massa muscular, seria plausível assumir que o mesmo, de alguma forma, pudesse influenciar a expressão/atividade da Miostatina. Além disto, também existe a possibilidade deste tipo de treinamento físico modular a expressão/atividade de proteínas relacionadas à ação da Miostatina, tais como seu receptor de membrana (Activina IIB) e alguns inibidores endógenos, como a Folistatina, e a follistatin-related gene (FLRG) (HILL, 2002). Um estudo recente (WILLOUGHBY, 2004a) mostrou que o conteúdo de Miostatina no músculo (RNA mensageiro e proteína) e o nível de Miostatina no plasma estavam significativamente aumentados após 6 e 12 semanas de treinamento de força, realizado 3 vezes por semana (3 séries de 6 a 8 repetiçoes a 85-90%-1 RM, nos exercícios: Leg press, extensão de joelhos e flexão de joelhos). Porém, o conteúdo de FLRG (antagonista da Miostatina) no soro sanguíneo estava 127% aumentado, enquanto que a expressão do receptor ActIIB encontrava-se reduzida.

Já em outro estudo, Roth e colaboradores (2003) demonstraram que o treinamento de força, utilizando apenas contrações concêntricas (9 semanas de treinamento de força, com freqüência de 3 vezes por semana, em cadeira extensora pneumática – realizada de forma unilateral), promoveu redução na expressão gênica da Miostatina (ROTH, 2003). A redução na expressão da Miostatina também foi observada no estudo conduzido por Kim e colaboradores (2005). Neste estudo foi observado aproximadamente 40% de decréscimo no conteúdo de RNA mensageiro (RNAm) de Miostatina, em homens e mulheres jovens, assim como idosos (efeito apenas evidenciado nos indivíduos do sexo masculino) 24 horas após uma sessão aguda de treinamento (3 séries de 8 a 12 repetições nos exercícios: agachamento, leg press e extensão de joelhos) (KIM, 2005). Hulmi e colaboradores (2007) avaliaram, de maneira elegante, o efeito agudo e crônico do treinamento de força sobre a expressão da Miostatina (HULMI, 2007). Neste trabalho, foram realizadas biópsias do músculo vasto lateral, uma hora antes, uma hora após e 48 horas após a sessão de treino, em duas condições diferentes: pré-treinamento (sujeitos destreinados) e pós-treinamento de força (sujeitos treinados).


Na primeira sessão aguda de treino (indivíduos destreinados), o conteúdo de RNAm de Miostatina não apresentou nenhuma variação significativa nas 3 biópsias realizadas. No entanto, após 21 semanas de treinamento (indivíduos treinados), o conteúdo de RNAm de Miostatina apresentou redução após uma hora, e este decréscimo foi ainda maior 48 horas após o término da sessão de treino. Porém, é importante destacar que o nível basal de Miostatina (1 hora antes da sessão), depois de 21 semanas de treinamento de força, estava maior do que na condição pré-treinamento (início do estudo).

PAX Blood American Bully USA DAXLINE RIP DAXCom relação ao receptor ActIIB, uma hora após a primeira sessão de treino (indivíduos destreinados), o conteúdo estava reduzido, e este permaneceu reduzido após 48 horas. Porém, após 21 semanas de treinamento, este efeito parece ser atenuado, podendo ser observada somente uma tendência de queda no nível de expressão gênica do receptor ActIIB, nas biópsias retiradas após a sessão (1h e 48h após a sessão de treino).



Uma possível explicação para os resultados obtidos por WILLOUGHBY (2004a), que observou aumento na expressão de Miostatina, pode estar associada ao aumento da concentração de cortisol e do conteúdo de receptores para o mesmo no músculo esquelético, observados no grupo treinado em relação ao grupo controle. A elevação deste hormônio poderia ativar a transcrição do gene da Miostatina. Isto, provavelmente, ocorre devido à presença de supostos elementos responsivos aos glicocorticóides no promotor do gene da Miostatina (MA, 2003).

Mesmo com o conteúdo de Miostatina aumentado, a força, a massa muscular e o volume da coxa estavam com valores maiores do que os observados no grupo controle, confirmando a eficiência do treinamento em promover hipertrofia e aquisição de força. Além disso, embora a Miostatina estivesse aumentada, houve também aumento da expressão de FLRG e redução na expressão do receptor ActIIB. Isto sugere a ocorrência de um mecanismo contra regulatório sobre a ação da Miostatina.


Recentemente, um estudo conduzido pelo nosso grupo, utilizando o modelo experimental de sobrecarga mecânica, no qual o músculo permanece em alongamento crônico por 12 e 24 horas, constatou aumento na expressão da Miostatina. No entanto, após 96 horas de alongamento crônico, a expressão desta proteína foi atenuada. Apesar do nosso modelo experimental, utilizando ratos, não apresentar nenhuma relação com a questão prática do treinamento físico, é importante ressaltar que o pico de crescimento do músculo ocorreu após 96 horas de alongamento, coincidindo com a menor expressão da Miostatina (SANTOS, 2007).

É POSSÍVEL PROMOVER A INIBIÇÃO DA MIOSTATINA?

O efeito do treinamento de força sobre a expressão/atividade da Miostatina ainda precisa ser melhor investigado. Além desta estratégia, atualmente, existe um grande interesse no desenvolvimento de fármacos capazes de inibir a ação da miostatina.

ANTICORPO ANTI-MIOSTATINA

Como potente regulador negativo da massa muscular esquelética, existe um enorme interesse terapêutico sobre a inibição da Miostatina. Neste contexto, estratégias capazes de atenuar a expressão e ou atividade desta proteína conquistariam destaque no tratamento de patologias associadas à perda de massa muscular. Recentemente, foi testado em modelo animal, um anticorpo anti-Miostatina capaz de inibir sua ação em um período pós-natal (WHITTEMORE, 2003). Este anticorpo (JA16) foi administrado em camundongos adultos durante 15 semanas. Os resultados do estudo demonstraram que o JA16 promoveu um aumento de 30% do músculo quadríceps e 23% do músculo gastrocnêmio. Além dos estudos em animais, estas estratégias de inibição farmacológica também estão sendo testadas em seres humanos portadores de distrofia muscular.

Alguns compostos apresentam capacidade de interação com a Miostatina, inibindo a sua atividade biológica. A ligação da Miostatina (ativa) com estes compostos reduz a sua disponibilidade para subseqüente interação com o receptor ActIIB.

CYSTOSEIRA CANARIENSES

Recentemente, um composto derivado da alga parda cystoseira canarienses, apresentou capacidade de ligação com a Miostatina no sangue (RAMAZANOV, 2003). Entretanto, um estudo utilizando suplementação de cystoseira canarienses (1200mg.dia-1) associada ao treinamento de força não demonstrou efeito aditivo sobre a aquisição de força e massa muscular, em comparação ao grupo treinado não-suplementado. No referido estudo, o consumo de cystoseira canarienses não foi capaz de potencializar as adaptações induzidas pelo treinamento de força (WILLOUGHBY, 2004b). Estes dados sugerem que a suposta interação deste composto com a Miostatina não foi capaz de inibir o seu efeito biológico.

CONCLUSÃO

Apesar dos poucos estudos disponíveis, os resultados existentes apontam que o estímulo do treinamento de força é capaz de atenuar a expressão e/ou atividade da Miostatina. Este fenômeno poderia, em parte, explicar o ganho de massa muscular induzido pelo treinamento de força. Além da modulação exercida por este tipo de treinamento físico, existe um grande interesse na inibição farmacológica da Miostatina. Indubitavelmente, o desenvolvimento de um fármaco capaz de inibir a Miostatina trará benefícios para indivíduos que apresentam decréscimo de massa muscular e força.

REFERÊNCIAS

GONZALEZ-CADAVID, N. F.; TAYLOR, W. E.; YARASHESKI, K.; SINHA-HIKIM, I.; MA, K.; EZZAT, S.; SHEN, R.; LALANI, R.; ASA, S.; MAMITA, M.; NAIR, G.; ARVER, S.; BHASIN, S. Organization of the human myostatin gene and expression in healthy men and HIV-infected men with muscle wasting. Proceedings of the National Academy of Sciences of the United States of America, v. 95, n. 25, p. 14938-43, 1998.


HILL, J. J.; DAVIES, M. V.; PEARSON, A. A.; WANG, J. H.; HEWICK, R. M.; WOLFMAN, N. M.; QIU Y. The myostatin propeptide and the follistatin-related gene are inhibitory binding proteins of myostatin in normal serum. The Journal of Biological Chemistry, v. 277, n. 43, p. 40735-41, 2002.

HULMI, J. J.; AHTIAINEN, J. P.; KAASALAINEN, T.; POLLANEN, E.; HAKKINEN, K.; ALEN, M.; SELANNE, H.; KOVANEN, V.; MERO, A. A. Postexercise myostatin and activin IIb mRNA levels: effects of strength training. Medicine and Science in Sports and Exercise, v. 39, n. 2, p. 289-97, 2007.

KIM, J. S.; CROSS, J. M.; BAMMAN M. M. Impact of resistance loading on myostatin expression and cell cycle regulation in young and older men and women. American Journal of Physiology. Endocrinology and Metabolism, v. 288, n. 6, p. E1110-9, 2005.

KRAEMER, W. J.; ADAMS, K.; CAFARELLI, E.; DUDLEY, G. A.; DOOLY, C.; FEIGENBAUM, M. S.; FLECK, S. J.; FRANKLIN, B.; FRY, A. C.; HOFFMAN, J. R.; NEWTON, R. U.; POTTEIGER, J.; STONE, M. H.; RATAMESS, N. A.; TRIPLETT –MCBRIDE, T. American College of Sports Medicine position stand. Progression models in resistance training for healthy adults. Medicine and Science in Sports and Exercise, v. 34, n. 2, p. 364-80, 2002.

LEE, S. J. Regulation of muscle mass by myostatin. Annual review of cell and developmental biology, v. 20, p. 61-86, 2004.

MA, K.; MALLIDIS, C.; BHASIN, S.; MAHABADI, V.; ARTAZA, J.; GONZALEZ-CADAVID, N.; ARIAS, J.; SALEHIAN, B. Glucocorticoid-induced skeletal muscle atrophy is associated with upregulation of myostatin gene expression. American Journal of Physiology. Endocrinology and Metabolism, v. 285, n. 2, p. E363-71, 2003.

MCPHERRON, A. C. AND LEE, S. J. Double muscling in cattle due to mutations in the myostatin gene. Proceedings of the National Academy of Sciences of the United States of America, v. 94, n. 23, p. 12457-61, 1997.

MCPHERRON, A. C.; LAWLER, A. M.; LEE, S. J. Regulation of skeletal muscle mass in mice by a new TGF-beta superfamily member. Nature, v. 387, n. 6628, p. 83-90, 1997.

MOSHER, D. S.; QUIGNON, P.; BUSTAMANTE, C. D.; SUTTER, N. B.; MELLERSH, C. S.; PARKER, H. G.; OSTRANDER, E. A. A mutation in the myostatin gene increases muscle mass and enhances racing performance in heterozygote dogs. PLOS genetics, v. 3, n. 5, p. e79, 2007.

PATEL, K. AND AMTHOR, H. The function of Myostatin and strategies of Myostatin blockade-new hope for therapies aimed at promoting growth of skeletal muscle. Neuromuscular Disorders, v. 15, n. 2, p. 117-26, 2005.

RAMAZANOV, Z.; JIMENEZ DEL RIO, M.; ZIEGENFUSS, T. Sulfated polysaccharides of brown seaweed Cystoseira canariensis bind to serum myostatin protein. Acta Physiologica et Pharmacologica Bulgarica, v. 27, n. 2-3, p. 101-6, 2003.

ROTH, S. M.; MARTEL, G. F.; FERRELL, R. E.; METTER, E. J.; HURLEY, B. F.; ROGERS, M. A. Myostatin gene expression is reduced in humans with heavy-resistance strength training: a brief communication. Experimental Biology and Medicine (Maywood, N.J.), v. 228, n. 6, p. 706-9, 2003.

SANTOS, A.R.; SOARES, A.G.; AOKI, M.S. Expressão do gene da miostatina no músculo de ratos submetidos ao alongamento crônico. XV Simpósio Internacional de Iniciação Científica da Universidade de São Paulo, 2007.

SCHUELKE, M.; WAGNER, K. R.; STOLZ, L. E.; HUBNER, C.; RIEBEL, T.; KOMEN, W.; BRAUN, T.; TOBIN, J. F.; LEE, S. J. Myostatin mutation associated with gross muscle hypertrophy in a child. The New England Journal of Medicine, v. 350, n. 26, p. 2682-8, 2004.

SHELTON, G. D. AND ENGVALL, E. Gross muscle hypertrophy in whippet dogs is caused by a mutation in the myostatin gene. Neuromuscular Disorders, v. 17, n. 9-10, p. 721-2, 2007.

WHITTEMORE, L. A.; SONG, K.; LI, X.; AGHAJANIAN, J.; DAVIES, M.; GIRGENRATH, S.; HILL, J. J.; JALENAK, M.; KELLEY, P.; KNIGHT, A.; MAYLOR, R.; O'HARA, D.; PEARSON, A.; QUAZI, A.; RYERSON, S.; TAN, X. Y.; TOMKINSON, K. N.; VELDMAN, G. M.; WIDOM, A.; WRIGHT, J. F.; WUDYKA, S.; ZHAO, L.; WOLFMAN, N. M. Inhibition of myostatin in adult mice increases skeletal muscle mass and strength. Biochemical and Biophysical Research Communications, v. 300, n. 4, p. 965- 71, 2003.

WILLOUGHBY, D. S. Effects of an alleged myostatin-binding supplement and heavy resistance training on serum myostatin, muscle strength and mass, and body composition. International Journal of Sport Nutrition and Exercise Metabolism, v. 14, n. 4, p. 461-72, 2004b.

WILLOUGHBY, D. S. Effects of heavy resistance training on myostatin mRNA and protein expression. Medicine and Science in Sports and Exercise, v. 36, n. 4, p. 574-82, 2004a.

ZIMMERS, T. A.; DAVIES, M. V.; KONIARIS, L. G.; HAYNES, P.; ESQUELA, A. F.; TOMKINSON, K. N.; MCPHERRON, A. C.; WOLFMAN, N. M.; LEE, S. J. Induction of cachexia in mice by systemically administered myostatin. Science, v. 296, n. 5572, p. 1486-8, 2002.

 

  • CÃES    F:55 011 99386 8744 hc
  • GATOS F:55 011 98485 4545 hc
  • GERAL  F:55 011 4684 1047 hc

 

Amichettibullys & AMICAT´S Bengal Maine Coon Ragdoll Exótico

Villa Amichetti- Paraíso Ecológico- uma forma sustentável de ConViver.

Rod. Régis Bittencourt, km 334, apenas 40 min. de SP-Juquitiba .

Agende uma agradável visita para adquirir seu filhote e faça belo passeio no santuário ecológico com a  Mata Atlântica  preservada.

American Bully Pocket x Extreme Pitbull Blue Nose

 

GENE BLUE PIONEIRISMO E VANGUARDA DO MODERNO CANIL AMICHETTI \PETCLUBE EMITE PEDIGREE INTERNACIONAL DE AMERICAN BULLY IPC ABKC ABR

Compre seu Paxblood Original

Siginificado de Paxblood: american bully tricolor muito musculoso, denso e correto

Paxblood Bully Musculoso e Forte Amigo da Família. American Bully Correto, Muito Forte e Definido. Bullies Parrudos de Verdade, filhotes standart bully, pocket bully e exotic bully.


pax dax gottylineAmerican Bully x Pitbull

Canil Destaque: Criador Amichetti de Juquitiba SP Brasil

AMICHETTILINE DAXLINE GOTTILINE MIAGUI KURUPTLINE

REGISTRO PEDIGREE  Internacional Novos Cães Bully Linhagem Daxline Gottyline Kurupt Kryptonite Miagui PAX GOTTYLINE DAX LINE x Miagui CARREGADO NO PETCLUBE AMICHETTI Foto PAX GOTTYLINE Daxline 6 X Romeu 2x Dax 

Link com Venda de Filhotes Gottyline Amichetti com Pedigree, Contrato de Compra e Venda, Garantias Petclube

Um american bully é um pitbul lmoderno, mas não um american Pit bull terrier tradicional, eles estão mais próximos de um american stafforshire terrier antigo, mais grosso e parrudo, ou ainda, nos exóticos um retorno aos primeiros e maravilhosos catchbulldogs primievos e saudáveis.

Nos EUA estão associados com cães como Razors Edge, Gotti, Miagui, Dax e Greyline, linhagens que possuem veladamente muito do sangue de american staffordshire terrier e alguns fortíssimos catchdogs.

A maioria dos Am. bullies que você vê são de cores azul, preto, brancos e fulvo. Eles são mais largos que um  American Pit Bull Terrier Tradicional. Eles foram criados para ter mais  tamanho e aparência muito mais robusta.

American bullie foi criado para ser  um  super companheiro de crianças e tolerante com outros cães. Eles têm um temperamento amável .

American bullies têm cabeças grandes e são mais grossos e mais baixos que o APBT tradicional.

super american bully PAX american bully PUPS TRICOLORED Canile Amichetti pitbull

Foram selecionados para ter a aparência maciça.

Muitos apreciadores do pitbull tradicional se limitam a dizer que a raça não tem gameness (vontade de brigar), o que certamente é uma grande verdade e provavelmente uma vantagem numa sociedade mais madura e voltada para outros valores.

Contrariamente do pit tradicional os american bullies não são cães para fazer game, mas ainda assim  é um cão atlético, no entanto muito pacífico e tolerante com outros cães, algo que uma família convencional acaba por preferir, justificando o grande aumento de seus fãs no mundo.

Infelizmente parece que há muitos criadores que dizem vender Am. bully mas na verdade ainda tem grande reserva genética dos american pitbull terrier tradicionais que tem a tendência de serem intolerantes com outros cães e com aparência mais fina e alta.

♣Link Filhotes de american bully para venda

Nos EUA os bullys mais parrudos tem valores de 5.000 até 40.000 dólares como as escolhas feitas pelo excelente canil do Soto com o famoso Miagui, sangue também do canil Amichetti de SP, talvez por isso tenha tanta gente de olho no mercado.

A verdade é que realmente  os am. bullies tipo pockett são  vistosos e bastante atraentes para quem gosta de aparência forte numa alma de paz. Essa morfologia e temperamento tranqüilo, amigos e parceiros do Canil Amichetti tem preservado desde ha muito tempo.

AMICHETTI  POCKET BULLY CÃES COMPACTOS, CONCENTRADOS E AMIGOS  com REGISTRO IPC International

Produzido para dar a impressão de grande força e poder, com movimentos ágeis, inteligência, coragem e lealdade, bullys 100% Amichetti adoram ciranças são amigos mansos e pacíficos.
Filhotes de American Extreme Bully :

 

Assista agora nossos vídeos com SUPER AMERICAN BULLY no youtube:

 

nPGkXRXjhoU yez9j0j8ukc ydz21Rvn7j8 xb1XQvrACQo XJZcbqEoG34 epLi9LqCtuU nMVb8KeH9ds pnzlVzIrakw H9sv28L8ZN0 SsFrtVblh1c uORLJXMVhRM ITJBYqlP1hA ygi2i_yvJxk ZhAc0DWWLw8 nfFgiX9a3Ds

 

 

♣Link Filhotes Parrudos 100% Amichetti á Venda

 
Melhoramento e seleção genética em over bullys amigos e tranqüilos .....todos apoiados em pedigree com GERAÇÕES FECHADAS,100% AMICHETTI, são mais de 20 anos de trabalho e dedicação do Canil Amichetti.
Ligue para reservar seu filhote de bully - F 11 99386 8744 hc São Paulo Brasil